Consegue PROGRAMAR / GERIR assim?

Quando ler o Relatório  Actuais e Futuras Necessidades Previsionais de Médicos (SNS) – ACSS 9-2011” elaborado pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) e enviado aos Hospitais, não se detenha nos erros sobre a “situação actual” (o número de médicos que referem existir, nomeadamente nas instituições hospitalares, não está actualizado e juntam médicos com carga horária de 20h a médicos com 35h ou 40h) levando, assim, a uma “fotografia” final que não permite qualquer comparação profunda e séria. Mal vamos se é esta a qualidade da base de dados do Ministério da Saúde acerca dos médicos em Portugal!

E não haveria necessidade de reflectir sobre os pressupostos, especialidade a especialidade, que são usados para prever as necessidades futuras, pois apresentam premissas não validadas, pressupostos de evolução da medicina duvidosos, comparações com países cujas práticas nada tem a ver com a nossa realidade?

A TROIKA poderá ficar satisfeita com mais um compromisso cumprido, mas os Portugueses não ficarão com os seus problemas resolvidos quando a qualidade dos Estudos deixa muito a desejar.

E já agora veja as diferenças em relação a este publicado em 2009 “Necessidades Previsionais de Recursos Humanos em Saúde “!

Seria também muito importante, em nome da famosa Transparência do Estado, a divulgação dos custos destes Estudos (incluindo as horas de trabalho dos funcionários do Ministério da Saúde) e qual a utilização e aplicabilidade prática destes Estudos na tomada de decisões…

Poderiam aproveitar e extinguir este serviço/departamento da ACSS: era mais uma ajuda na redução do défice e não teria qualquer impacto na prestação de cuidados de saúde aos cidadãos.

Tanto Estudo, tanto dinheiro gasto, tanta carência de profissionais e tanta dificuldade em contratar profissionais…!

Notícia do Público de 20/10/2011 a propósito deste assunto.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

2 respostas a Consegue PROGRAMAR / GERIR assim?

  1. vpmiranda diz:

    Pelo menos em relação à minha especialidade, este estudo está COMPLETAMENTE desligado da realidade, até é triste… os dados estão desactualizados e às vezes simplesmente errados; e as propostas de centralizar competências diferenciadas em apenas um pólo nas grandes cidades, afirmando que esses mesmos polos já têm médicos a mais… propôr que um serviço faça o trabalho de 3 ou 4 com ainda menos médicos dos que já tem… parece-me literalmente desligado da realidade

    • Margarida Sizenando diz:

      Na área de MFR, os pressupostos usados para o cáculo das necessidades estão completamente ultrapassados . Urge redefinir a Rede de Referenciação e actualizar os rácios face ao actual estado da arte.
      No relatório da Auditoria realizada ao Centro de Reabilitação do Sul pelo Tribunal de Contas (publicado em Setembro de 2010) essa necessidade é identificada como premente e é feita a recomendação ao Ministério da Saúde prara a promoção urgente da sua revisão. Até agora nada foi feito e continuam a ser usados como correctos e válidos,os racios da RRHMFR , que embora publicada em 2003 foi feita bastante tempo antes . Assim os serviços estão desadequadaos às necessidades da procura actual e, obviamente os resultados sofrem….

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s